INFORMATIVO

MISSÕES, NOSSA MISSÃO INADIÁVEL.

MISSÕES, NOSSA MISSÃO INADIÁVEL.

É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar” (João 9:4).

            Nesta pastoral, quero compartilhar com os irmãos algumas verdades teológicas e práticas sobre a responsabilidade missionária da Igreja.

            No dizer de John Stott (falecido em julho de 2011), "missões emerge da própria natureza de Deus". Foi o Deus vivo quem enviou Jesus Cristo, Seu Filho, o Espírito Santo, os Apóstolos e a Igreja e, por sua vez, a nós outros, os crentes dos últimos dias. Portanto, missões não é obra de homens ou da igreja (organização), missões é obra de Deus! Esta perspectiva nos guarda contra toda atitude de autossuficiência e independência na tarefa missionária. Se missões é de Deus, então é d’Ele que a Igreja deve depender na sua participação nesta tarefa. Isto implica numa profunda atitude de humildade, obediência e de oração.

            Por outro lado, se missões é de Deus, podemos ter a certeza e a segurança de que é Deus quem está comandando a expansão do Seu reino e, Ele realizará os Seus propósitos de maneira cabal e eficaz. Mas, também, devemos considerar que, se missões é obra de Deus (“obra santa”) e não de homens, as armas que devemos usar não são armas humanas e sim espirituais. Os inimigos da obra missionária não são os homens (“sangue e a carne”), mas, sim, segundo o apóstolo Paulo em Efésios 6:12-18, são “[...] os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”. A batalha é espiritual, o homem comum não tem nenhuma chance contra o diabo. Por isso, nenhum missionário terá chance ou sucesso na obra missionária, usando somente as suas armas e/ou recursos humanos e materiais. Enquanto não se apoderar da “armadura de Deus” (v.13) [a verdade de Deus, a justiça de Deus, o evangelho de Deus, a fé que procede de Deus, a certeza da salvação de Deus, a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus], “com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos” (v.18), não terá êxito.

            Assim sendo, fica claro que a razão da obra missionária não está no ser humano, na sua carência de Deus, ou no seu amor para com aqueles que não têm Deus, mas, na iniciativa e na misericórdia de Deus, isto é, na Sua Soberania. Por isso, o próprio Deus providenciará os meios e os instrumentos e os levará a bom termo para a salvação dos Seus escolhidos.

            Diante do exposto, podemos destacar as seguintes verdades sobre “missões como a nossa missão inadiável”: 1). Missões têm a sua origem na própria Trindade - Missões é uma categoria que pertence a Deus. Antes de ter uma conotação humana que fala da tarefa da Igreja e, antes de ser da Igreja, é de Deus. A graça de Deus é um assunto central nas Escrituras, o amor do Deus eterno pelo Seu povo é profundamente impactante e transformador. Deus é a fonte e a finalidade da obra missionária, o Evangelho de Deus veio a nós por Sua maravilhosa graça, manifestada por meio da obra salvífica realizada pelo Filho de Deus, Jesus Cristo e, aplicada eficazmente pelo Espírito Santo, para a salvação dos eleitos do Pai. 2). O instrumento da missão é a Igreja - Deus é o agente e a origem da missão, contudo, Ele não trabalha sozinho. Deus escolheu um povo específico como instrumento da Sua missão. Elegeu um povo e com ele fez uma aliança peculiar a fim de que este povo fosse a Sua testemunha no meio das nações (Gênesis 12:3; Êxodo 19.5-6; Efésios 3:10; 1ª Pedro 2:9-10). Para atingir alvos universais, a restauração de toda a criação, Deus escolheu meios particulares, um povo, o Seu povo! 3). O propósito pragmático das missões é a salvação dos eleitos - Missões é a missão de salvação. A existência de toda a Bíblia é a primeira evidência de que Deus tem um propósito salvífico para humanidade caída. De Gênesis 3 a Apocalipse 22:17, Deus chama o homem ao arrependimento. Jesus disse que “o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido” (Lucas 19:10) e, Ele mesmo disse: Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio(João 20:21). 4). O alvo e o fim último (supremo) de missões é a glória de Deus - O verdadeiro e essencial alvo e o fim último de “missões” (da missão) é a glória de Deus, não a atividade missionária em si. A adoração a Deus é a mola propulsora e o alvo último e essencial da Igreja. Assim sendo, podemos dizer que o alvo da obra missionária é a alegria dos povos na grandeza de Deus (1Cr 16:31; Isaías 66:18; Apocalipse 7:9-12).

            Concluindo,    vale ressaltar que a obra missionária da Igreja é tarefa imperativae intransferível e, exige obediência e urgência.

            Portanto, “façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia”!

Rev. Marcos Antonio Serjo da Costa

Pastor Sênior da IPC


Titulo fixo

IGREJA PRESBITERIANA DE CUIABÁ

TEMPLO DA TREZE
Rua Treze de Junho, 148
Centro Cuiabá  | 78005-250

NOVO TEMPLO
Av. Hist. Rubens de Mendonça, 6015
Morada da Serra I Cuiabá  | 78055-000

CONTATO

Fone:  65 3624.4917 
E-mail: secretaria@ipcuiaba.org.br

REDES SOCIAIS

Siga a Igreja Presbiteriana de Cuiabá nas redes sociais.

Copyright © 2015 - Igreja Presbiteriana de Cuiabá - Todos os direitos reservados. Desenvolvimento e-design / crausdesign

versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo